quinta-feira, 8 de abril de 2010



Sobre o Rio de Janeiro.
"Moro num país tropical, abençoado por Deus..."
É, aqui não tem terremoto, não tem vulcão... Mas também não tem política habitacional.
O acelerado processo de urbanização, conseqüência do enorme êxodo rural dos últimos 50 anos, associado a um volume absurdo de chuvas, produz o espaço caótico em que o Rio, literalmente, mergulha.
No Brasil nunca houve uma real e séria reforma agrária, o que tornaria a migração rural-urbana mais equilibrada e o planejamento das cidades mais racionalizado. Também nunca houve uma política habitacional séria de nenhuma das esferas de poder, federal, estadual ou municipal. 
Soma-se a isso nossa histórica e péssima distribuição de renda (uma das piores do mundo) e temos este espaço desigual e combinado do meio urbano. 
Espaço desigual pois reflete a péssima distribuição de renda. Combinado, pois na mesma urbe convivem bairros ricos e pobres derivados ambos da própria lógica do capital.
Históricamente os migrantes chegam e não encontram uma infra-estrutura habitacional adequada e, sem condições de adquirir os terrenos em áreas livres de riscos, mais valorizadas e loteadas pelo capital privado, são naturalmente empurrados para as várzeas de rios, em São Paulo, ou para os morros, no Rio e Niterói. Daí toda vez que ocorrem chuvas intensas, calamidade pública.
Pois é, aqui não tem terremoto, mas já morreram mais pessoas que no terremoto do Chile no começo do ano, pondo a nú a ausência do Estado, que sempre se desobrigou do investimento em infra-estruturas simples e adequadas. 
Estado este que utiliza o dinheiro público em grandes obras, que como sabemos, permitem grandes desvios...
A população, esta sofre e reza...